sábado, 18 de dezembro de 2010

MAIRIPORÃ COM MAIS REPRESENTANTES NO LEGISLATIVO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DÁ DIREITO
A TERMOS 17 VEREADORES

Como representante político e lutador para que o povo tenha cada vez mais direitos e condições de definir suas leis e seus representantes, declaro que lutarei para que nossa cidade tenha 17 cadeiras no legislativo e não 13 como aprovaram alguns dos vereadores de nossa cidade.

É bom e importante frisar que um número maior de vereadores não significa que teremos mais gastos na Câmara Municipal, pois a Emenda Constitucional 58 de 23 de Setembro de 2009, deixou mais do que claro os gastos das Câmaras Municipais em seu artigo 2º.

Alguns "mentirosos" da política e da imprensa, defendem o menor número de vereadores alegando que teremos menos gastos públicos o que é mentira pois os gastos são os mesmos com 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, ou 17 vereadores nossa Casa de Leis terá direito a gastar 7% do orçamento municipal então vamos parar de vender para o eleitor o que é mentira e passarmos a verdade e a verdade é a seguinte:

Alguns políticos acreditam fielmente que são os donos do poder, não sabem que estão para servir e acreditam que estão na política para serem servidos e detestam ter várias opiniões contrárias as suas com direito a voto no parlamento. Defender número menor de vereadores na Câmara Municipal é ser contra a democracia é ser contra a divergência de opiniões, pois com 17 vereadores na Câmara Municipal aumenta-se a possibilidade dos mais variados partidos elegerem pelo menos um representante e isto faz com que os pensamentos ideológicos sejam defendidos, que as minorias tenham seus representantes.

Por estes e outros motivos é que nós do PMDB Mairiporã defendemos o número máximo de vereadores permitido para nossa cidade, pois não temos medo de trabalharmos com mais representantes da comunidade na Câmara Municipal, bem pelo contrário queremos vereadores com diversas ideologias sendo defendidas e discutidas para que a população seja cada vez mais ouvida e respeitada.

Vamos divulgar a comunidade mairiporanense a importância do número máximo de vereadores para a cidade, pois são mais pessoas fiscalizando os poderes, mais pessoas discutindo os orçamentos, os planos de trabalho, mais possibilidade de termos novamente vereadores de oposição ao governo (coisa atualmente quase que proibida), mais espaço para a comunidade.

Mairiporã segundo o IBGE conta atualmente com mais de 80 mil habitantes e tem direito de ter 17 vereadores e é por este número de representantes da comunidade que iremos lutar, por mais participação democrática na Câmara Municipal.

Senhores vereadores da Câmara Municipal de Mairiporã porque apenas 13 vereadores se nossa cidade pode ter 17 ? Se você tem um assunto sério para resolver é melhor ouvir a opinião de 13 pessoas ou de 17 para tomar a melhor atitude ? Ouvindo mais pessoas a possibilidade de errarmos em uma decisão é menor, então se nós povo mairiporanense temos o direito de sermos representados no Parlamento Municipal com 17 vereadores para pensarem melhor as decisões porque 13? Se o gasto com 17 ou 13  é o mesmo porque não 17?

Que estas perguntas sejam respondidas pela Câmara Municipal de Mairiporã e eles acordem e novamente votem nova alteração na Lei Orgânica Municipal e aprovem 17 cadeiras pois é o número ideal que o CONGRESSO NACIONAL aprovou para um município como o nosso.

Aceitamos e respeitamos opiniões contrárias as nossas, mas nunca admitiremos que pessoas que vivem da  política, quer dizer "sugam os políticos", divulguem em jornais posicionamento contrário alegando que quem defende 17 cadeiras quer cargo na Cãmara Municipal e esquece de informar que tem cargo público, sem nunca ter sido eleito, recebe salário e pouco trabalha, se é que trabalha.

A divergência de opiniões é importante desde que ela não seja apenas para defender seus interesses particulares e ficar com medo de que com uma Câmara Municipal com 17 cadeiras seu cargo possa não existir.

Viva a Democracia - Viva a Representação popular
Viva a divergência de opiniões - Viva Mairiporã

Um comentário:

Anônimo disse...

Amigo Cleriston, tudo bem? Espero que sim, pós-ressaca do passamento do Governador Quércia... Força, sabedoria e luz aí no encaminhamento da nova situação. Vc é jovem, lutador, tem boas idéias e tem tudo para ocupar um maior espaço em seu partido, inclusive agregando qualidade. Torço por vc e pelo seu time!

1)Mas dê uma pensada melhor sobre o abaixo! Eu não concordo e peço uma reflexão objetiva. Aliás, acho que pode até ser legal e servir lá na frente, prá vc ter uma bandeira/plataforma a mais: a da eficiência, da probidade e da responsabilidade com o dinheiro do povo. Faça um estudo, talvez meio debaixo do pano no primeiro momento, de quanto custou a Câmara de Mairiporã, digamos nos dois últimos anos (melhor seria de 2005 a 2008). Tendo o valor em $, façamos as seguintes ilações: multiplique a qtidade de vereadores (dez) pelo número de sessões (2 por semana?) e pela qtidade de horas das sessões. Vamos ver quanto custa cada sessão, quanto custa cada hora/vereador! E o mais importante: veja quantas leis, emendas, etc foram votadas e aprovadas – não vale nome de rua nem homenagens: isto não traz qualidade de vida para a população (pense em ações que, de fato, melhoraram a vida da cidade) – e veja (uma conta de dividir) quanto custou cada lei, cada emenda... Veja quantas horas (mais uma conta de dividir) foram gastas por lei, por emenda... E por aí afora... Eu tenho defendido, nessa questão de cidades do Interior que, de fato, os vereadores sejam profissionais, em regime de dedicação exclusiva, até prá não misturar as coisas: não dá prô cara ser vereador e dono da padaria que fornece os pães da merenda escolar! Ele que se afaste da condução da padaria! Claro que isso não resolve (vai ter aí um testa de ferro, um laranja) mas pelo menos é um mecanismo de controle ético. Melhor seria que nenhum gênero fosse adquirido de estabelecimentos de propriedade ou vinculados a vereadores e membros do primeiro escalão do Executivo. Aí estaríamos radicalizando (o que até eu acho bom: fazemos um projeto de lei municipal neste sentido e vamos prá plenária colocar em votação) mas seria um puta exemplo que Mairiporã daria para todo o Brasil. Se a verba dispendida para manter dez vereadores fosse utilizada para manter 5 vereadores em tempo integral, em regime de dedicação exclusiva, acho que teríamos um puta ganho. O que ocorre hj, como ouvi falar (acho que em Andradina), de um vereador: “com a mixaria que eu ganho aqui na Câmara, vc quer que eu faça o quê? Faço as coisas do tamanho do salário que recebo”. Que compromisso um cara desses tem com o eleitorado e com a cidade? O cara usa a desculpa do ganhar pouco prá fazer pouco! Ou então, prá justificar que tem que fazer algo prá complementar a renda! Ou, simplesmente, não faz nada e nem admite ser cobrado, porquê... ganha pouco! Outra ponderação: faça, aproveitando o recente censo IBGE, um comparativo entre o salário do vereador com a media de renda do cidadão de Mairiporã. Melhor ainda, compare o valor/hora de trabalho do vereador, com o valor/hora do trabalhador mairiporãense (é assim que se fala?). Vc pode até, quando for vereador, fazer outra proposta de Lei: “... que o vereador do municipio de Mairiporã não aufira ganhos que representem grande discrepância em relação à comunidade que ele representa, ficando fixado o teto de 7 (é o meu número) vezes o valor do salário médio pago na cidade...” (Falo em ganhos porque tem que contabilizar as verbas de gabinete.)

Sanenari Oshiro