quinta-feira, 12 de março de 2009

EM 4 DE MARÇO O EX-PRESIDENTE TANCREDO NEVES COMPLETARIA 99 ANOS

O SONHO DO POVO BRASILEIRO
Um dos políticos que mais deu orgulho ao povo brasileiro sem dúvida alguma foi TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, um mineiro que acima de tudo amava sua gente. Se vivo o Presidente estaria completando 99 anos. Apesar de já ter passado mais de 23 anos de sua partida aqui da terra (21/04/85), o povo brasileiro recorda sua trajetória política com muito orgulho, principalmente os peemedebistas. Por ser uma pessoa que mereceu e merece todo respeito sua biografia é mantida até hoje no site principal do PMDB (pmdb.org.br).

"RESUMO BIOGRÁFICO:
Político e estadista brasileiro (São João del Rei MG, 4-III-1910 - São Paulo SP, 21-IV-1985), eleito presidente da República pelo Colégio Eleitoral a 15-I-1985. Embora privado da consagração pelo sufrágio direto, Tancredo de Almeida Neves foi, sem sombra de dúvida, o político brasileiro que reuniu em torno de si o maior potencial de esperança quando se preparava para assumir a presidência da República. A doença que o fez internar-se para uma cirurgia de urgência na véspera do dia fixado para sua posse - 15 - III - 1985 - culminou numa dolorosa agonia, durante a qual a solidariedade, a confiança e o carinho do povo se manifestaram em uníssono. Foi o quinto de doze filhos de Francisco de Paula Neves e Antonina de Almeida Neves. Estudou no colégio franciscano de sua cidade natal e formou-se em direito em Belo Horizonte, em 1932, retornando a São João del Rei para montar ali o seu escritório de advocacia. Em 1935 foi eleito vereador de sua cidade, com a maior votação, e escolhido presidente da Câmara Municipal; mas voltou à advocacia com a implantação do Estado Novo, em 1937. Casou-se em 1938 com Risoleta Guimarães Tolentino. Na campanha presidencial de 1945, passou a formar com o Partido Social Democrático, e em 1947, elegeu-se deputado estadual, sendo relator da comissão que elaborou o anteprojeto da nova constituição do Estado. Deputado federal em 1950, liderou a bancada do PSD-MG. Seria sempre mencionado como tipo perfeito do pessedista mineiro - político hábil e conciliador, sempre flexível na negociação, mas firme no tocante a seus princípios. Em 1953, num período de grande agitação, que se agravou com o atentado da rua Tonelero, Getúlio Vargas nomeou-o ministro da Justiça; com o suicídio de Vargas, Tancredo voltou à sua cadeira na Câmara, onde foi um dos principais articuladores da candidatura Juscelino Kubitschek à presidência. Candidato do PSD ao governo de Minas Gerais em 1960, foi derrotado por Magalhães Pinto, da UDN, por 80.000 votos. A renúncia de Jânio Quadros e a posse de João Goulart na presidência da República levaram-no ao cargo de primeiro-ministro, que exerceu de setembro de 1961 a junho de 1962. Em outubro desse ano reelegeu-se para a Câmara dos Deputados, onde foi líder da maioria. Após o golpe de 1964, ingressou no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), mantendo sempre atitude de oposição ao regime. Pelo MDB foi reeleito deputado federal em 1966. Em 1970 e 1974; em 1978 elegeu-se senador. Presidente do Partido Popular em 1980, quando foram proibidas as coligações partidárias levou o PP a integrar-se com o PMDB, do qual foi eleito vice-presidente. Candidato ao governo de Minas Gerais em 1982, derrotou seu opositor do PDS e assumiu o governo em março de 1983. No dia 15-VIII-1984 renunciou ao mandato para candidatar-se à presidência da República pela Aliança Democrática. Vitorioso no Colégio Eleitoral, realizou, como presidente eleito, uma bem sucedida viagem para contatos no mais alto nível por vários países da Europa ocidental, Vaticano, EUA, México e Argentina. Faleceu no Hospital das Clínicas de São Paulo e foi enterrado em São João del Rei."


Que mais e mais Tancredos apareçam na política brasileira para no futuro nossos filhos contarem a história com orgulho dos políticos.

Nenhum comentário: